PDT anuncia apoio para Lula no segundo turno

O PDT anunciou o ao apoio ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno contra o atual chefe do Planalto, Jair Bolsonaro (PL). O anúncio foi feito após a reunião da Executiva nacional do partido. Já há consenso entre pedetista para o apoio a petista.

O ex-presidenciável da sigla, Ciro Gomes, vai seguir a decisão da legenda. Ele, no entanto, não deve fazer campanha para o petista.

— A decisão foi unânime. Foi uma decisão unânime e agora vamos comunicar isso com o PT — disse Carlos Lupi, presidente do PDT. — Apoiar o mais próximo da gente, o Lula. Uma candidatura do 12+1 — completou.

O presidente do PT afirmou ainda que Ciro Gomes endossa a decisão tomada pelo partido, mesmo depois de uma série de ataques a Lula durante a campanha.

— Ciro participou da reunião e disse que endossa integralmente a decisão do partido — afirmou.

Sobre as críticas de Ciro a Lula, Lupi disse que o processo político às vezes se acirra.

— Vivenciei isso com Lula e Brizola — disse, lembrando o ex-governador do Rio Leonel Brizola. — Não admitimos nenhum apoio a Bolsonaro.

Desde ontem, o presidente do partido tem conversado com lideranças do PT sobre o apoio ao ex-presidente. O cacique pedetista negociou para que a campanha de Lula absorva propostas caras ao PDT em troca do palanque ao ex-presidente. As prioridades do partido são a renda mínima, no valor de R$ 1 mil, o programa para renegociar dívidas e limpar o nome de pessoas físicas e jurídicas do SPC e Serasa, e a escola em tempo integral. Lupi disse também que vai propor ao PT o Código Brasileiro do Trabalho.https://b32974b8ff504d27300c707b6fc1a9fe.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html?n=0

Historicamente, o PDT sempre esteve ao lado do PT em disputas de segundo turno à Presidência. Em 2018, o partido pedetista anunciou “apoio crítica” ao ex-ministro Fernando Haddad, então candidato petista, já no domingo, logo após o resultado. Na ocasião, pesou para a decisão a posição de Ciro, que junto com o irmão, Cid, viam no apoio uma forma de fortalecer a aliança entre os dois partidos no Ceará, berço político da família Ferreira Gomes. 

Ciro ficou em quarto lugar na disputa ao Palácio do Planalto, com apenas 3% dos votos. Em sua primeira declaração após a derrota, o pedetista afirmou estar “profundamente preocupado” com o futuro do país, além de pedir um tempo antes de se posicionar. 

Ao longo da campanha, o pedetista deferiu duros ataques a Lula e o clima entre os dois piorou na reta final, quando o petista adotou a estratégia do voto útil, ou seja, priorizou a atração de eleitores de Ciro sob argumento de que o pedetista não tinha chance de vencer a eleição e, portanto, a opção por Lula seria o caminho mais eficiente para derrotar Bolsonaro.

Apesar dos embates, apurou a reportagem, Ciro considera necessário uma unificação do PDT, que saiu enfraquecido da eleição. A legenda perdeu duas cadeiras na Câmara Federal, saindo de 19 para 17 deputados, não conseguiu eleger nenhum de seus candidatos aos governos estaduais.

Published by

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s