CHOQUE DE REALIDADE: Empregos aumentam no País e calam críticos de reforma relatada por Rogério Marinho

Diariamente apontado por adversários políticos como algoz dos trabalhadores brasileiros por ter sido o relator da reforma trabalhista de 2017, o ex-deputado Rogério Marinho (PL) deve ter recebido o editorial deste domingo, 17, do jornal O Globo como um verdadeiro bálsamo.

Ao contrário dos chavões usados pelos críticos da reforma – o PT, as esquerdas e os sindicatos que tinham nas velhas leis trabalhistas uma bilionária fonte de recursos – o editorial de O Globo traz números e fatos. E contra os quais não há argumentos.

Contra o velho e puído discurso das esquerdas de que a reforma precarizou as relações de trabalho e aumentou o desemprego, o editorial traz números demolidores e uma sentença: a reforma promoveu a recuperação do emprego.

De 2018, quando a reforma entrou em vigor, até maio deste ano, o saldo positivo de empregos formais, já descontadas as demissões, foi de 4.798.117 vagas preenchidas.

Mesmo com baque produzido pela pandemia, de 2020 até maio de 2022 o saldo foi de 3.624.484 novas vagas, das quais 277.018 só em maio último.

Nos cinco primeiros meses de 2022, as contratações líquidas – descontadas as demissões – chegaram a 1.051.503. O total de empregados com carteira assinada no País alcançou um recorde: 41,72 milhões.

O índice de desemprego medido pelo IBGE caiu. De 10,5% em abril para 9,8% em maio. Foi a primeira vez em mais de seis anos, desde 2015, que ficou na casa de um dígito. Fatores circunstanciais e estruturais da economia brasileiras ainda são responsáveis pelos 10,6 milhões de empregados. Mas os avanços produzidos pela reforma são inquestionáveis.

Acabou-se o tempo, por exemplo, em que um empregado ingressava com ação trabalhista contra o empregador confiando simplesmente no histórico da Justiça do Trabalho pró-trabalhador.

Se derrotado na causa, o empregado passou a ser responsável pelos custos do advogado do empregado, que vão de 5 a 15%. Com a reforma, os processos trabalhistas despencaram de 2,63 milhões em 2017 para 1,53 milhão em 2021.
Processos em queda significam menor custo e maior segurança jurídica para a contratação de novos empregados.

Menos processos, menos dívidas trabalhistas, principal fator de falência das pequenas e médias empresas do País, de cujo sucesso depende a recuperação do nível de emprego e da economia brasileira.

Ainda falta muita coisa para a plena recuperação econômica do País.

Mas é certo afirmar que a reforma trabalhista apontou o caminho a seguir.

Na contramão continuam os velhos adeptos da legislação trabalhista que ainda tinha o mofo da era Getúlio Vargas.

Pelo visto, os adversários do ex-ministro Rogério Marinho vão precisar urgentemente mudar o discurso. Sob pena de ficarem mudos ou sozinhos diante da escalada da recuperação do nível de emprego.

Blog do BG

Published by

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s